domingo, 29 de janeiro de 2017

Pónei da Terceira


Pónei da Terceira

É 4ª raça portuguesa




A quarta raça de cavalos em Portugal é terceirense. O Pónei da Terceira foi finalmente reconhecido como raça autóctone. Para trás ficam 14 anos de trabalho. 

Só existem quatro raças de cavalos em Portugal.
 Uma delas é o Pónei da Terceira, que, segundo Artur Machado,
 tem potencial nas escolas de equitação.



"É a quarta raça do país, é uma raça açoriana, mas acima de tudo é uma raça da ilha Terceira", salientou, Artur Machado, investigador do Centro de Biotecnologia dos Açores, que liderou o processo, numa conferência de imprensa na Câmara Municipal de Angra do Heroísmo. 

O pedido de reconhecimento da raça ocorreu há cerca de dois anos, mas o trabalho de recuperação dos animais com as caraterísticas do Pónei da Terceira foi iniciado há 14 anos. 

Segundo Artur Machado, numa primeira fase foi feito um levantamento dos animais existentes na ilha, depois foi selecionado um grupo de animais que correspondiam às caraterísticas típicas do Pónei da Terceira e antes de ser pedido o reconhecimento houve um aumento do efetivo.
Atualmente existem, pelas contas do investigador, 118 Póneis da Terceira, sendo que só na Universidade dos Açores estão 54 e seis foram exportados para o continente, numa tentativa de divulgação da raça. 

O que distingue o Pónei da Terceira como raça é o facto de se assemelhar morfologicamente a um cavalo, mas ter a dimensão de um pónei.  

Para Artur Machado, "é o cavalo ideal para o ensino de equitação para as classes mais jovens", mais precisamente entre os 6 e os 10 anos."Um dos nossos primeiros objetivos é tentar arranjar um profissional que possa realmente explorar a qualidade da equitação desses animais ", revelou, salientando que em dezembro de 2013 os póneis da Terceira alcançaram vários prémios numa competição nacional.


Exportação para a Europa

Segundo o investigador da Universidade dos Açores, há também interesse na aquisição destes póneis na Europa, mas ainda é cedo para avançar com a exportação. 



"Há interesse, haveria possibilidade, mas temos ainda de criar uma maior sustentabilidade do ponto de vista genético do próprio efetivo", frisou, considerando que é preciso primeiro "consolidar a produção na ilha". 

Por sua vez, Paulo Caetano Ferreira, presidente da Associação de Criadores e Amigos do Pónei da Terceira, salientou que é uma "honra" para a ilha Terceira ter uma das quatro raças de cavalos de Portugal, destacando também a importância económica. 



"Estes póneis têm valores muito altos no mercado europeu. Quando for possível exportá-los, vendê-los, com certeza se há-de fazer algum dinheiro aqui na região", frisou. 

Para Artur Machado, mais do que garantir a sustentabilidade da raça, este reconhecimento vem também salvaguardar um património transmitido por gerações anteriores. "É preciso não esquecer que este cavalo fez parte do quotidiano dos terceirenses. Era ele que trabalhava as terras, era ele que trazia o peixe à cidade, era ele que servia de transporte. Foi um animal que teve uma participação ativa no desenvolvimento da ilha", sublinhou.

In DI (29-JAN-2014)


quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Cultura Taurina

III FÓRUM MUNDIAL DA CULTURA TAURINA


Toiro bravo plantou biodiversidade
pelo interior da ilha Terceira





Sabia que os toiros também são... ecológicos? A ideia foi defendida, ontem, no III Fórum Mundial da Cultura Taurina, que se realiza, até amanhã, na Terceira, organizado pela Tertúlia Tauromáquica Terceirense (TTT).


De acordo com o professor da Universidade dos Açores Eduardo Dias, que participou na primeira mesa redonda do evento, sobre os valores ecológicos da ganaderia brava, as zonas onde, na Terceira, se criou gado bravo, apresentam uma maior biodiversidade. 

A mesma ideia foi defendida por Paulo Henrique Silva, autor de publicações na área da etnografia e ambiente, que sustentou que a zona do Pico Alto/Terra Brava é encarada como um dos maiores centros de biodiversidade do país e da Europa.

Já Eduardo Dias explicou que, ao longo dos vários séculos de criação de gado bravo, estes animais foram moldando a paisagem à sua volta. "A criação foi feita de uma forma que não é intensiva e o pisoteio dos animais foi estimulando os nutrientes na terra e conduzindo a um aumento da biodiversidade", afirmou.

Para o docente da academia açoriana, a Terceira é um exemplo no arquipélago da conciliação entre o desenvolvimento de uma atividade num terreno tão sensível e a proteção da biodiversidade.

Já em ilhas como a Graciosa encontram-se cenários diferentes. "No interior da Graciosa, a paisagem é muito mais homogénea e sabemos que existem perto de duas dezenas de espécies que entraram em extinção. No caso da Terceira, não há nenhuma", exemplificou.


O professor da Universidade dos Açores defende que, a longo prazo, a deterioração destas zonas mais altas em várias ilhas dos Açores pode ser uma "catástrofe natural" e alerta para o perigo de atividades económicas mais intensivas, como a criação de gado de carne.

Também na mesa redonda participou o historiador Francisco Maduro-Dias, que sustentou que o lugar ocupado pelos toiros na cultura terceirense leva a uma maior perceção da Natureza: "Graças ao toiro bravo, temos obrigação de saber que existe um outro lado".

A última intervenção coube a Pedro Correia, doutorando em Ciências Agrárias, com o projeto "Estratégias de conservação genética e fenotípica da população de bovinos brava dos Açores", que explorou a evolução do toiro bravo da Terceira.





"Politicamente correto"

"Porque é que a Festa, com toda a sua riqueza de valores, com influência transversal em todo o espectro cultural e com importância socioeconómica, é tão perseguida e rejeitada na atualidade por alguns sectores?". A questão foi lançada, ontem, na abertura do fórum, pelo presidente da TTT, Arlindo Teles.


Para o responsável, a sociedade cedeu ao politicamente correto. "A título de exemplo, foi notícia há algumas semanas a informação nas redes sociais de uma pessoa identificada com o simples perfil de Sara que afirmou: 'Se Adolf Hitler tivesse feito com os taurinos o que fez com os judeus seria o meu herói'. É a este tipo de pessoas e de posições que o encolhimento dos responsáveis políticos favorece sempre que recuam ou simplesmente não avançam nas matérias que interessam legitimamente à tauromaquia", sustentou.

Discursou também o diretor regional da Cultura, Nuno Ribeiro Lopes, que destacou a "projeção internacional que o evento já granjeou" e Tibério Dinis, vereador da Cultura do município da Praia da Vitória, que defendeu a necessidade de apurar a tauromaquia terceirense como produto turístico.

No Auditório do Ramo Grande, interveio ainda o historiador Jorge Forjaz, que traçou o percurso da tauromaquia na história da sua família e na ilha em geral.






In DI (25-JAN-2014)

domingo, 15 de janeiro de 2017

Touradas à Corda na Terceira





Touradas à Corda na Terceira
    (Detalhes de uma Tradição)


1904 - Bilhete Postal circulado de Angra para a Alemanha
Tourada à corda na Ladeira de São Bento.



1904 - Bilhete Postal circulado de Angra para França
Tourada à corda no Largo de São Bento


 
As touradas à corda têm início a partir de Maio e estendem-se até ao mês de Outubro tendo lugar em várias localidades da Ilha.


No que respeita à sua origem, alguns historiadores são da opinião que foram um gosto herdado dos castelhanos, quando por cá andaram no período da dominação filipina.





Na Tourada à Corda, o toiro é amarrado pelo pescoço com uma corda (razão que lhe dá o nome) antigamente feita de sisal e hoje em dia feita de nylon. A corda tem cerca de 85 a 90 metros, espessura de 1 polegada e ¾, formando na extremidade inferior uma pequena argola de 6 a 10 centímetros de diâmetro, chamada bolsa ou nó. Esta argola destina-se a ser enfiada no gancho da gaiola, impedindo que o toiro ao ser recolhido apanhe os pastores desprevenidos.

Na corda usam-se sempre 9 homens, chamados pastores, distribuídos da seguinte forma: atrás estão os cinco pastores da pancada ou da ponta da corda, sendo o do extremo denominado da bolsa ou nó e o da frente da pancada e aos restantes três intermédios.



A 35 ou a 40 metros do toiro, estão colocados os chamados pastores do meio da corda, sendo o da frente o mestre, precedido de 2 intermédios e por último o rodador, que tem por missão puxar a corda para junto dos outros três e sempre que necessário, dar corda para virar e possibilitar ao mestre mudar de lado.  

 

O mestre da corda orienta toda a manobra, transmitindo por sinais, quase imperceptíveis, ao pastor da pancada, as suas ordens, dependendo muitas vezes desse silencioso entendimento o êxito das corridas.



São os pastores do meio da corda que manobram o toiro de forma a evitar que salte a lugares com pessoas, nomeadamente mulheres e crianças, obstando situações catastróficas, ou pelo contrário, procuram alcançar algum toureiro improvisado que em rasgo de intencional ousadia ouse desfeitear o matuto, pondo em perigo os brios da ganaderia.

            

Os pastores trajam camisolas de linho branco, calças de cotim cinzento e calçam sapatos de lona, tendo a cobrir-lhes a cabeça, chapéus tipo andaluz, também designados por chapéus à mazantini.




Antigamente vinham descalços e na cabeça usavam chapéus de feltro e aba larga e copa em forma cónica, originada por quatro amolgadelas.

O número de toiros corridos numa tourada à corda nunca excede os quatro, sendo o tempo de actuação de cada toiro de 20 a 30 minutos, havendo um intervalo no final do segundo, com as entradas e saídas assinaladas pelo estalar de um foguete, à excepção do último que ao ser recolhido é precedido de um girândola a marcar o final da tourada.

Antigamente, os toiros vinham para o local da corrida em manadas junto com as vacas bravas, designando-se vaca do sinal à que caminhava à frente e ao chegarem ao local da corrida davam entrada num recinto tapado com madeira, o chamava “touril”, armado à entrada de um caminho secundário (canada), onde aguardavam o momento de serem corridos.

No “touril” estava instalado o caixão, grande caixa construída em madeira, onde os toiros eram introduzidos para a embolação e amarração, operações que consistem, a primeira, em revestir as pontas dos chifres de uma protecção metálica, a terminar em bolas, ou numa espécie de copos revestidos de cabedal, enquanto a segunda como o seu nome indica, destinava-se a amarrar o toiro.

Actualmente, quando termina a tourada a comissão organizadora da tourada oferece um jantar aos pastores.

Hoje em dia, os toiros são transportados em camionetas, alojados em gaiolas, desapareceram os touris e os caixões, servindo as próprias gaiolas de caixões, sendo os toiros amarrados e embolados por uma abertura rasgada na parte superior da gaiola, onde uma tranca atravessada não os deixa atingir o nível superior da referida abertura.

Uma corda, passada por baixo do pescoço do toiro, é puxada de encontro à tranca imobilizando-lhe a cabeça, de forma a permitir que ele seja trabalhado sem risco algum.

A tourada à corda é um espectáculo alegre, onde centenas de homens descontraídos desfilam mirando balcões, muros e janelas das mais belas raparigas das freguesias.
Explode o foguete e toda agente dispersa-se à frente do toiro, numa correria louca, desenfreada.

Surge, então, um afoito capinha, (nome que lhe é atribuído, pois antigamente o artista tauromáquico tinha esta designação por usar o capote – também conhecido por capa – e desta forma por, por analogia, passou-se a designar de “capinhas” aos indivíduos que nas touradas à corda brincam com os toiros) que vão lidando o toiro, o que não é tão fácil como parece, pois requer, para além de muita agilidade, uma certa habilidade e sobretudo muita prática, havendo muitas vezes, um entendimento táctico entre dois capinhas.

Da habilidade e intencionalidade de alguns capinhas, depende, muitas vezes, o êxito ou o fracasso de uma ganadaria.

A tourada à corda é um espectáculo alegre, onde centenas de homens descontraídos desfilam mirando balcões, muros e janelas das mais belas raparigas das freguesias.
Explode o foguete e toda agente dispersa-se à frente do toiro, numa correria louca, desenfreada.


Surge, então, um afoito capinha, (nome que lhe é atribuído, pois antigamente o artista tauromáquico tinha esta designação por usar o capote – também conhecido por capa – e desta forma por, por analogia, passou-se a designar de “capinhas” aos indivíduos que nas touradas à corda brincam com os toiros) que vão lidando o toiro, o que não é tão fácil como parece, pois requer, para além de muita agilidade, uma certa habilidade e sobretudo muita prática, havendo muitas vezes, um entendimento táctico entre dois capinhas.

Da habilidade e intencionalidade de alguns capinhas, depende, muitas vezes, o êxito ou o fracasso de uma ganadaria.

Como boa festa terceirense não podiam faltar os “comes e bebes”. Para tal, existem as chamadas tascas. A tasca é um estabelecimento improvisado, característico das nossas touradas à corda que, antigamente, eram armadas num cerrado, nos baixos de uma casa ou prédio. Hoje em dia, as tascas são em pequenas carrinhas, para se poderem mover, ou seja, para irem a diversas touradas.


As iguarias que lá se podem encontrar vão desde:

·         Favas Escoadas;
·         Favas de Molho de Unha;
·         Chicharros e Cavala de Molho Cru;
·         Caranguejos Cozidos;
·         Ovos Cozidos;
·         Lapas;
·         Cracas;
·         Linguiça frita.






Para finalizar comemora-se o quinto toiro na casa de algum amigo ou familiar, onde os petiscos, a boa disposição e o clima festivo da tourada continuam a reinar.




Texto de Isabel Fagundes in: Açores - Quiosques de Turismo